Quarta, 21 de Outubro de 2020
14981559897
Geral RECORDAÇÃO

O conjunto poliesportivo “Manoel Gouveia Chagas”

Você sabia que o bonito conjunto poliesportivo foi inaugurado no dia 04 de maio de 1996 e recebeu o nome do esportista Manoel Gouveia Chagas, por indicação do então vereador Washington Pereira de Araújo?

16/10/2020 14h33
51
Por: Francisco Alves Neto Fonte: Da redação
O conjunto poliesportivo “Manoel Gouveia Chagas”

Os esportistas garcenses ligados ao futebol suíço foram surpreendidos recentemente, com a notícia sobre o relatório do Ministério Público Estadual, que aponta falta de acessibilidade no Conjunto “Poliesportivo Manoel Gouveia Chagas”.

O Ministério Público (MP), atendendo solicitação de um munícipe, enviou um relatório a Prefeitura Municipal, pedindo esclarecimentos sobre a acessibilidade, ao mesmo tempo em que deverá providenciar a adequação às normas vigentes, objetivando a continuidade na sua utilização.  Aí começa o imbróglio, tudo porque o local onde estão os campos não é de propriedade da prefeitura, e sim, do IAPEN – o Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Servidores do Município de Garça. Então como a prefeitura gastar em melhoramentos num local que não lhe pertence?

Como é de conhecimento de todos, os campos foram construídos depois de uma “parceria de cavalheiros” entre a Prefeitura e o IAPEN. Creio que até mesmo não existe nada de oficial, um documento assinado pelas partes, com o IAPEN cedendo o espaço. Até porque o terreno é um dos suportes da solidez financeira do órgão, e que vai garantir no futuro, o pagamento dos benefícios (aposentadorias, pensão e auxílios) dos servidores municipais vinculados.  

Diante disto, a administração municipal estuda a possibilidade da transferência dos campos para um recinto próprio, um bom local seria entre o CT do Garça e o Ginásio de Esportes “João Gonzales”.

Enquanto isto não se concretiza, a SEJEL pretende continuar com as competições no mesmo local. Tudo vai depender de uma autorização especial da promotoria, enquanto não ficarem pronto os novos campos.

Convenhamos um assunto que deverá ser tratado com muita atenção pelo futuro prefeito, assim que assumir o cargo no primeiro dia de janeiro do próximo ano. Até porque hoje o futebol suíço é a principal modalidade esportiva praticada em Garça, reunindo centenas de pessoas.

Você sabia que o bonito conjunto poliesportivo foi inaugurado no dia 04 de maio de 1996 e recebeu o nome do esportista Manoel Gouveia Chagas, por indicação do então vereador Washington Pereira de Araújo? A primeira competição oficial que aconteceu foi a “Copa Lions”, tendo como campeão o Pereira e Santos. Já no certame municipal, o primeiro campeão foi o Salão Carter. Veja flagrantes da inauguração no antigo portal de entrada, pela Rua Dr. Antônio Cid Garbin, no Bairro Cascata. Na foto estão, da direita para esquerda: vereadores Cornélio Marcondes de Moura, Luiz Quini, Álvaro Chagas (filho do homenageado), prefeito José Alcides Faneco e Luiz Roberto Lopes de Souza, diretor do IAPEN. 

ESPORTISTA e RELOJEIRO 

Apesar de não ser garcense, o palmeirense Manoel Gouveia Chagas foi um grande esportista, que muito colaborou tanto com o futebol profissional como amador de nossa cidade.

Nasceu na cidade de Paulo Faria/SP, no dia 16 de janeiro de 1941. Ainda adolescente veio morar em Garça, juntamente com seus familiares. Começou a trabalhar “cedo”, com apenas 10 anos já ajudava o pai Jerônimo Chagas, proprietário de uma pequena venda, localizado em frente ao casarão do Labieno da Costa Machado, no Bairro Labienópolis. Depois foi trabalhar na relojoaria do Valdomiro Baraldi, que ficava na rua Barão do rio Branco, em frente à Casa Minerva. Ali começou aprender a arte e o ofício de “relojoeiro’, atividade que abraçou para toda a vida, desenvolvendo com maestria.

“Seo” Manoel casou jovem, com apenas 16 anos. Passados dois anos, resolveu tentar a sorte na cidade grande, e foi para São Paulo. Assim que chegou já arrumou emprego na DIMEP, tradicional fábrica de relógios. Só que não ficou muito tempo, retornando para Garça onde abriu o próprio negócio: a Relojoaria São Luiz, inicialmente na rua Carlos Ferrari, depois na Coronel Joaquim Piza, em frente a antiga CAOL.

Até que no ano de 1962 mudou para a Rua Heitor Penteado 206, na antiga Rodoviária, no térreo da torre do relógio, o famoso e tradicional “Big-Bem Garcense (foto). Ali trabalhou ininterruptamente por aproximadamente 32 anos, consertando e vendendo relógios, além de bijuterias em geral.

O seu diferencial era a pontualidade nos consertos e o atendimento carinhoso que dispensa aos clientes. “Seo” Manoel aposentou no mês de fevereiro de 1992, mesmo assim continuou trabalhando. O mundo do relógio era sua vida, a sua grande paixão. Agora outra infinita paixão do “Seo” Manoel era o futebol. Tentou jogar, optou em ser goleiro, mas por pouco tempo. O destino de suas mãos não era salvar gols, mas sim “consertar” relógios.

Como torcedor, dois times no coração: Palmeiras e Garça. Do “Verdão”, adorava ver e falar do time da academia, dos craques Dudu e Ademir da Guia. Do “Azulão” não perdia um jogo sequer. No domingo era sagrado ir no “Platzeck”. Prestativo, sempre colaborou nas campanhas e rifas para ajudar o Garça e o futebol amador.

“Seo” Manoel foi mais um daqueles que veio para Garça, chegou, gostou daqui e não saiu mais. Casou com a Vilma Gelamos Chagas e o casal teve cinco filhos: Álvaro, Moacir, Luiz Manoel, Maria Cândida e Nilson. Faleceu no dia 29 de janeiro de 1994. Na outra foto, o palmeirense Álvaro, o filho que abraçou o legado do pai, posando todo orgulhoso, no interior da relojoaria.

WANDERLEY “TICO” CASSOLLA