Sábado, 31 de Julho de 2021
(14) 98155-9897
Geral RECORDAR

Walter Barretto: um goleador implacável

Nesta coluna, Tico Cassola conta a história do já saudoso Walter Barreto, um goleador nato que nos deixou esta semana.

09/07/2021 21h48
Por: Francisco Alves Neto Fonte: Da redação
Walter Barretto: um goleador implacável

Hoje recordamos dois times que fizeram história e marcaram época: Associação Atlética Bandeirantes e Pecuária Cruzeiro, grandes campeões da várzea garcense, nas décadas de 50 e 60. Ao mesmo tempo, homenageamos o centroavante Walter Barretto, que envergou a jaqueta 9 dos dois times, e faleceu em nossa cidade, no último dia 2 de julho, aos 86 anos de idade.

O Bandeirantes era presidido pelo esportista João Bento, tinha o seu campo, ainda de terra, na Vila Mariana. Para mim é o melhor time amador da história de Garça e o legitimo campeão da temporada de 1950. Na foto veja o Bandeirantes, do ano de 1956, que se sagrou campeão do Setor 30 do interior do Estado de São Paulo. Em pé da esquerda para direita: Tão Acorinte, Navarro, Cury, Tóti, João Alexandre Colombani e Tonhão. Agachados: Hélio Moraes, Igurê, Walter Barretto, Pirajuí e Rosarinho.

O outro time é Pecuária-Cruzeiro, também presidido por João Bento, posando com a faixa de campeão da Copa dos Campeões, no ano de 1961. Em pé da esquerda para direita: Chiclé, Regis Lecci, Coutinho, Jafa, Orlando Antunes, Antonio Macelloni, Zé Carlos e João Bento (presidente). Agachados: Tcheca Garcia, João Trinca, Walter Barretto, Nado e Luizinho.

Um dos destaques destas equipes era o centroavante Walter Barretto, um goleador implacável. Segundo apurei, ele tinha boa colocação dentro da área, e uma visão privilegiada para finalização. Outro ponto forte era o cabeceio, sempre certeiros, numa época em que a bola de capotão, era “pesada pra burro”. Incansável em campo e com muita voluntariedade, não tinha bola perdida.

Dos times acima, onde estão perfilados 23 jogadores, além do dirigente João Bento, achamos três, creio ser os únicos vivos: Rosarinho, mora em Osasco, Regis Lecci, está aqui em Garça, e Hélio Moraes, residente em Bauru. Unânimes, lamentaram profundamente o falecimento do eterno amigo de futebol e diversão em Garça, e enviaram as mensagens abaixo:                                 

João Rosário: “O Walter foi um grande amigo. Joguei muitas partidas na várzea com ele e contra ele. Fizemos uma grande dupla de atacantes no Bandeirantes, eu na ponta esquerda, ele de centroavante, jaqueta 9. Na verdade, eu sempre preferi jogar ao seu lado, pois quando fomos adversários, meu time sempre tomava gols dele. Um ótimo jogador e amigo que tive o privilégio de conviver nos tempos que morei na minha querida cidade de Garça”.

Regis Lecci: “Era o tipo de centroavante de área. Na época os atacantes não voltavam para marcar. E o Walter ficava lá na frente “enfiado” entre os béques. Tinha muita voluntariedade e cansou de marcar gols. Não somente no Pecuária-Cruzeiro, onde jogamos juntos, como também nos outros times da várzea”.

Hélio Moraes: “Jogamos juntos no Bandeirantes, do inesquecível presidente João Bento. Eu era ponta direita. Já sabia que se chegasse na linha de fundo, era cruzar nas proximidades da marca do pênalti que o Walter estava lá, pronto para desviar para as redes. Sem falar que quando eu cruzava no alto, ele que tinha boa impulsão, sabia antecipar ao zagueiro e cabecear forte no canto. Eu também admirava muito a sua voluntariedade em campo. Não gostava de perder de forma alguma”.

No lado profissional, Walter Barretto trabalhou no IBC/Instituto Brasileiro do Café, por mais de 20 anos, como fiscal. Também foi proprietário do Lava Jato Estoril, local onde a boleirada da época gostava de frequentar, nos anos 70. O Estoril ficava na rua Barão do Rio Branco, por volta do número 600, onde hoje é o Condomínio Residencial Iguaçú.

Foi casado em primeiras núpcias com a Dona Lazinha, e teve três filhos: Gizela, Gisleine e Waltinho (na foto). Depois se casou com a Dercy, onde tiveram os filhos Ana Cristina e Netto (in memorian). Nos últimos tempos, Walter Barretto vinha enfrentando problemas de saúde. Aquela visão que tinha para marcar gol, começou a ficar comprometida a partir do ano de 2000, e alguns anos depois, se apagaria para sempre. Mas suas jogadas e gols, jamais serão esquecidos por quem teve a oportunidade de vê-lo atuar dentro dos gramados. 

 

Wanderley Tico Cassola

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.