Terça, 15 de Junho de 2021
14981559897
Geral RECORDAR

Navarro, um ponta direita veloz

Nesta coluna, Tico Cassola relembra a trajetória do veloz ponta direita Navarro nos títulos do SALEC

11/06/2021 14h55
Por: Francisco Alves Neto Fonte: Da redação
Navarro, um ponta direita veloz

Dos anos 70 para cá, dois times garcenses fizeram bonito no campeonato regional que era promovido pela Liga de Futebol de Marília: Serenata e SALEC. Era uma competição difícil, disputadíssima, que reunia as cidades de nossa região, que montavam grandes esquadrões. Na época era comum as prefeituras ajudar, até mesmo financeiramente. Desta forma os jogadores eram “contratados” por toda a região, alguns vinham até do vizinho Estado do Paraná. A única regra era não estar atuando mais profissionalmente.

O Serenata fez história e deixou o nome marcado na competição: bicampeão nas temporadas de 1972 à 1973. No primeiro ano de forma incontestável, campeão invicta. O Serenata era presidido pelo esportista Paulo Renato Alves de Souza, e representava a fábrica de óleo de amendoim e sabão serenata. 

Nos anos 80, foi a vez do SALEC - Sanatório André Luiz Esporte Clube -, presidido pelo também esportista Vitinho Boareto, que resolveu ingressar no difícil campeonato regional e quase chegou lá. Nas temporadas de 1982 e 1983, foi “bi” vice-campeão. Em 82 perdeu o título para o time mariliense da Unimar. No ano seguinte caiu diante do ótimo time da Usina Paredão, de Oriente.

Recordamos uma das formações do SALEC, quando da primeira participação. Em pé da esquerda para direita: Antônio Maceloni (técnico), Ronier, Luizão da Cruz, Tiguinha, Caio Miranda, Tonho Nego e Marcel (massagista). Agachados: João Paulo, Gininho, Tico, Tonho Alves, Cabreirinha e Navarro.

Na semana passada encontramos o Antônio Carlos da Silva, mais conhecido por “Navarro” e batemos um papo (foto), lembrando logicamente do campeonato regional, que disputamos pelo SALEC. O esquema montado pelo técnico Toninho Maceloni, era na “antiga” formação 4-4-2, principalmente quando jogávamos fora.

O time ficava fechado atrás, na frente o Navarro na ponta direita e eu de centroavante. Era ficar com a posse de bola e lançar o Navarro, que tinha uma velocidade incrível. Rápido, chegava na linha de fundo, eu ficava ali nas proximidades da marca do pênalti, esperando o cruzamento e finalizar para as redes. Na maioria das vezes, o lance ficava mais fácil, pelo fato do Navarro, antes de cruzar, rapidamente erguia a cabeça e já sabia onde eu estava. Tanto é verdade que nos dois anos, terminei como principal artilheiro do regional.

O Navarro não era de marcar gols. Mas uma ocasião quando o SALEC jogou em Oriente, fez um golaço, bem parecido com o gol do meia sul-coreano Son Heung-Mim, do Tottenham da Inglaterra, que venceu o Prêmio Puskas da FIFA, no ano passado. Lembro que o Navarro recebeu o passe do Osmar Tanajura quase na nossa defesa, e numa velocidade incrível, saiu driblando quase que todo o time adversário. Fintou até o goleiro, não entrou com bola e tudo porque não quis. O árbitro era o Negadinha, da Liga Regional, que após ter validado o gol, fez questão de cumprimentar o jaqueta 7 do Salec.  Antes de dar início ao jogo, o famoso e respeitado árbitro Negadinha falou: “Meu garoto, foi o gol mais bonito que vi até hoje, desde que apito no regional. Parabéns”.

No futebol citadino, o Navarro jogou no Flamengo, de Vila Rebelo, quando o time começou a disputar o campeonato amador. Foi um dos trunfos do técnico Bétão Aguiar para o Flamengo se consolidar na nova divisão.  O técnico Betão nos revelou uma curiosidade e talvez a origem do apelido: “Era comum o Antônio Carlos comparecer nos jogos levando uma sacola com laranjas para chupar nos vestiários. Falava que era para não ficar cansado, e ajudava a correr ainda mais. E não gostava de dividir não, até “chiava” quando os demais jogadores escondiam alguma fruta. Numa destas ocasiões, a sacola estava furada e vazou laranja por todo o vestiário. Na hora o zagueirão Goiano o apelidou de “Navarro Laranja”. 

Recentemente o Navarro enfrentou problemas de saúde, típico da idade. Passou por procedimentos cirúrgicos, estando em franca recuperação. Bem alegre já me garantiu que após a pandemia, está pensando em retornar aos gramados no futebol máster. Os zagueiros adversários que se cuidem.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.