Sexta, 24 de Setembro de 2021
21°

Poucas nuvens

Garça - SP

Dólar
R$ 5,34
Euro
R$ 6,26
Peso Arg.
R$ 0,05
Geral Saidinha

Suzane von Richthofen, Anna Jatobá e Elize Matsunaga deixam presídio para 'saidinha'

Suzane foi condenada por matar os pais em 2002. Anna Carolina foi condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni em 2008. Elize foi condenada por matar e esquartejar o marido Marcos Matsunaga em 2012.

14/09/2021 às 14h02 Atualizada em 14/09/2021 às 14h11
Por: Da Redação Fonte: G1
Compartilhe:
Eliza, Suzane e Anna
Eliza, Suzane e Anna

Suzane von Richthofen, Anna Carolina Jatobá e Elize Matsunaga deixaram a Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé (SP), para a chamada "saidinha" temporária. Elas deixaram o local quase simultaneamente na manhã desta terça-feira (14). Todas ficarão em liberdade até a próxima segunda (20), quando devem voltar à unidade.

Suzane foi condenada por matar os pais em 2002. Anna Carolina foi condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni em 2008. Elize foi condenada por matar e esquartejar o marido Marcos Matsunaga em 2012.

Ao deixar a unidade prisional, antes de entrar em um táxi, Elize ainda exibiu um cartaz com uma mensagem para a filha: "te amarei além da vida". A menina vive com os avós paternos desde a época do crime e não tem mais contato com a mãe.

Assim como as outras detentas que também tiveram autorização para a "saidinha", as três usavam máscara de proteção contra o coronavírus.

As saídas temporárias foram retomadas neste anos depois de uma série de mudanças por causa da pandemia da Covid-19. Essa é a terceira vez que o benefício é concedido aos detentos do Estado de São Paulo em 2021 — as outras foram em maio e junho. Ainda está prevista uma "saidinha" entre o Natal e Ano Novo. O calendário é determinado pelo Poder Judiciário.

O beneficio é concedido a presos que apresentam bom comportamento, já cumpriram uma parte da pena e estão no regime semiaberto.

Suzane na universidade

Na semana passada, a Justiça autorizou Suzane Von Richthofen, que cumpre pena em regime semiaberto, a cursar a faculdade de farmácia em uma universidade em Taubaté (SP). O pedido foi feito pela defesa, após ela obter nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para conseguir cursar o ensino superior.

De acordo com a decisão liminar, que é de sexta-feira (10) e foi assinada pelo desembargador relator José Damião Pinheiro Machado Cogan, a autorização é válida para início imediato, já que as aulas do segundo semestre já iniciaram — o pedido foi protocolado em 12 de agosto e as aulas começaram no dia 16. O curso dela é no período noturno.

Na análise, o pedido para cursar a faculdade teve parecer contrário do Ministério Público, que alegou que não há como garantir a segurança da detenta. No entanto, segundo a Justiça, ela preenche todos os requisitos para que tivesse os estudos autorizados.

A faculdade Anhanguera, onde Suzane foi aprovada, disse que "trata diretamente com seus alunos, caso necessário, eventuais ações a respeito de sua frequência e desempenho escolar, pois trata-se de assunto de cunho particular". A instituição também afirmou que "a matrícula da aluna foi autorizada pela Justiça" e "que oferece a todos tratamento igual, conforme determina a legislação brasileira”.

Suzane von Richthofen obteve a progressão do regime fechado para o semiaberto em outubro de 2015. A primeira saída dela aconteceu em março de 2016, beneficiada pela saída temporária de Páscoa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.