Terça, 15 de Junho de 2021
14981559897
Geral CALOTE

Comerciantes de Garça ganham apoio da Facesp para tentar receber dívida milionária de construtora do pedágio

O garcense Alfredo Cotait, presidente da Federação, tenta negociar calote sofrido por empresários garcenses que prestaram serviço para construtora do pedágio

31/05/2021 12h23 Atualizada há 2 semanas
Por: Francisco Alves Neto Fonte: Da redação
Alfredo Cotait e o presidente da Acig, João Galhardo.
Alfredo Cotait e o presidente da Acig, João Galhardo.

A Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) já se mobiliza para ajudar as micro e pequenas empresas (MPEs) de Garça e região, que receberam um calote milionário da empresa Semco Engenharia que prestou serviço à concessionária Eixo-SP nas obras da praça do pedágio da SP 294 (Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros) em Jafa. A dívida ultrapassaria os R$ 2 milhões. 

No último final de semana, durante visita à cidade, o presidente da Facesp, Alfredo Cotait Neto, tomou conhecimento do caso durante encontro com presidente da Acig, João Francisco Galhardo. De imediato iniciou contatos para tentar negociar o impasse diretamente com o governo do Estado. No decorrer da semana deu prosseguimento ao trabalho para buscar uma solução. “Já conversei com o vice-governador Rodrigo Garcia e com a Artesp. O vice-governador se prontificou a acompanhar o caso de perto”, informou Cotait.

Como amplamente divulgado, a Semco prestou serviço à Eixo-SP, vencedora do processo licitatório aberto pelo governo estadual, por meio da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), para a construção de sete praças de pedágio na rodovia SP-294 (Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros), que liga Panorama a Bauru. Em Garça, o pedágio foi construído no distrito de Jafa.

Os trabalhos começaram a ser executados em outubro do ano passado. Em dezembro, dezenas de empreendedores garcenses passaram a oferecer produtos e serviços à empresa, porém, o que parecia ser uma grande oportunidade de diminuir os impactos da crise econômica causada pela pandemia da Covid-19, terminou em um calote, o que agravou ainda mais a situação.

Segundo a Associação Comercial e Industrial de Garça (ACIG) e os órgãos de Imprensa local, como o portal G1 Bauru Marília, o Giro Marília e o Jornal da Manhã, a estimativa é que a Semco tenha deixado a cidade com uma dívida de cerca de R$ 2 milhões. 

Apenas em um posto de combustíveis, são mais de R$ 200 mil. Há compromissos não quitados com o comércio da cidade, em restaurantes e também em hotéis.

Alegando irregularidades, a Eixo-SP suspendeu o contrato com a Semco em 12 de fevereiro. Os cinco meses de atividades em Garça teriam sido suficientes para acumular o saldo devedor milionário. E quase quatro meses após o contrato entre as partes ser encerrado, os empreendedores seguem sem uma solução.

A disputa entre a concessionária e a empresa contratada foi parar na Justiça. No meio deste imbróglio, estão as micro e pequenas empresas de Garça. E é com o objetivo de apoiar estes comerciantes e prestadores de serviço que a Facesp já entrou em contato com o governo estadual e com a Artesp.

Cotait garantiu que a Facesp, a ACIG e as demais Associações Comerciais da região irão organizar uma ação conjunta e firme na defesa das MPEs vítimas deste prejuízo. 

“Mesmo com tantos problemas e uma dívida milionária, o pedágio poderá entrar em operação, o que seria um absurdo, um escárnio. Os compromissos devem ser quitados antes do início da cobrança”, afirmou Cotait. Outras medidas de apoio estão sendo estudadas.

“Foi um posicionamento que nos deixou esperançosos. A situação econômica já não está favorável e ainda temos que enfrentar esta situação. É complicado, mas acreditamos que a resposta do governo do Estado pode ser positiva, favorável aos nossos comerciantes”, salientou Galhardo.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.