Terça, 20 de Abril de 2021
14981559897
Geral PANDEMIA

Covid mata mãe do padre Fábio de Melo

Aos 83 anos, Dona Ana Maria Melo Silv estava internada desde de o último dia 15, em um hospital particular de Uberlândia (MG)

27/03/2021 19h18
Por: Francisco Alves Neto Fonte: O Tempo
Dona Ana Maria Melo Silva tinha 93 anos.
Dona Ana Maria Melo Silva tinha 93 anos.

A pandemia da Covid-19, que já matou mais de 300 mil pessoas em todo o Brasil, fez mais uma vítima, neste sábado (27). Morreu nesta manhã, aos 83 anos, dona Ana Maria Melo Silva, mãe do padre Fábio de Melo. Ela estava internada, desde o dia 15 de março, no hospital particular Santa Genoveva, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, cidade em que morava. 

O falecimento dela foi confirmado, nesta tarde, pelo padre, que fez uma postagem lamentando a morte da mãe e em que agradeceu a todos os que oraram pela recuperação da saúde da mãe dele. “Minha mãe partiu hoje. Logo cedo, como quem tem pressa de viver a eternidade. A mim resta a dor térrea, o ferimento que rasga o corpo e a alma. Ela me deu a vida num Sábado de Ramos, como hoje. Nossa simbiose reuniu as regras do nascer e do morrer. Obrigado, minha dona Ana! Só Deus e nós sabemos o quanto fomos um do outro. Uma pertença que me fez sofrer, sorrir, amar, aprender, conjugar todos os verbos que tornaram válida a aventura de nossa existência. Seguirei hospedando sua memória, levando tudo o que couber dentro de mim. Um dia, quando eu estava em Fátima, Portugal, eu liguei para a senhora e disse: ‘mãe, eu estou em Fátima!’ A senhora imediatamente me disse: ‘Então, quando você estiver diante de Nossa Senhora, diga que eu mandei um beijo pra ela. Fala que é a Ana Maria, ela sabe quem é…’. Sim, minha mãe, meu pedaço de mim. Na eternidade, onde a pureza e a bondade prevalecem, todos sabem quem a senhora é. Leve de mim tudo o que quiser, tudo o que puder. O dia mais temido chegou. O dia de continuar neste mundo tão empobrecido, sem o precioso simbólico da filiação, sabendo que você não estará mais por aqui. Guarde meu coração com o seu. Até o dia que Deus voltar a me permitir deitar a cabeça no seu colo, enquanto você faz carinho nos meus cabelos, me chamando de Fabinho. Obrigado a todos vocês que rezaram, obrigado pelo amor com que vocês sempre nos trataram”, disse Fábio de Melo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.