Terça, 02 de Março de 2021
14981559897
Saúde CORONAVÍRUS

Governador da Bahia anuncia toque de recolher a partir de sexta

Quem desrespeitar o toque de recolher nos horários específicos será preso e responderá por crime contra a saúde pública. Lockdown no estado não está descartado.

17/02/2021 08h21 Atualizada há 2 semanas
301
Por: Da Redação Fonte: Garça em Foco
Governador da Bahia anuncia toque de recolher a partir de sexta

O governador da Bahia, Rui Costa, anunciou nesta terça-feira (16) que a Bahia terá toque de recolher por causa do avanço da pandemia da Covid-19 no estado. A medida passa valer a partir de sexta-feira (19). A decisão ocorreu após reunião com representantes da União dos Prefeitos da Bahia (UPB), prefeitos e técnicos das secretarias estaduais da Educação e da Saúde.

O toque de recolher será válido por 7 dias, das 22h às 5h. De acordo com Rui Costa, o decreto será assinado nesta terça-feira e será publicado no Diário Oficial do Estado de quarta-feira (17).

Segundo o governador, a decisão ocorre por causa da alta taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado, seguindo uma apresentação de técnicos da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia mostrando que a Bahia alcançou uma taxa de 74% de ocupação dos leitos de UTI dedicados para atender pacientes com casos mais graves de Covid-19.

Veja detalhes do toque de recolher na Bahia:

  • medida começa a valer a partir de sexta-feira, das 22h às 5h, por sete dias;
  • o toque de recolher é válido para Salvador e diversas cidades do interior da Bahia, exceto as regiões de Irecê, Jacobina, Alagoinhas e oeste do estado;
  • estão proibidas atividades comerciais não essenciais;
  • as polícias Civil e Militar irão fiscalizar o cumprimento do toque de recolher;
  • quem descumprir as regras pode ser preso e irá responder por crime contra a saúde pública;

“O decreto que será publicado nesta quarta-feira irá valer por sete dias e proíbe atividades comerciais não essenciais. É uma medida que precisamos tomar para conter as taxas de contágios e o número de casos ativos que hoje ultrapassam 15 mil. É uma forma de conter o avanço desse número alarmante que, se continuar crescendo, irá levar ao total colapso do sistema de saúde”, declarou o governador.

De acordo com Rui Costa, a medida será válida para a maior parte das cidades baianas, exceto nas regiões de Irecê, Jacobina, na região de Alagoinhas e no oeste do estado, onde as taxas de ocupação dos leitos de UTI não são alarmantes.

"É fundamental para que a gente não presencie repetição de imagens tristes que vimos acontecer em outros lugares do país, com falta de leitos, com falta de UTI. Não vamos permitir", disse Rui Costa.

"Nós vamos atuar, conforme a lei. A Polícia Militar e Civil atuarão no sentido de orientação e, eventualmente, fechamento daquelas unidades comerciais como bares, restaurantes, ou festas, carros de som na rua, chamados de ‘paredão’, a polícia vai agir fortemente para impedir qualquer aglomeração desse tipo a partir das 22h", disse o governador.

"Portanto, nessas regiões não será permitido, e será feito o devido processo legal, inclusive com indiciamento das pessoas por crime de saúde pública, por ameaçar a vida humana", afirmou Rui.

De acordo com o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, "os dados indicam um risco real de colapso do sistema de saúde e consequente aumento na mortalidade. Nesse momento, apenas medidas de distanciamento social mais severas minimizarão as altas taxas de transmissão do vírus". Nesta terça, o secretário anunciou que testou positivo para a Covid-19.

Ainda nesta terça, o governador informou que existe a possibilidade do horário do toque de recolher ser ampliado. "Se ao longo desses sete dias a situação se agravar ainda mais, nós podemos ampliar o horário do toque de recolher. Em vez de 22h, pode ser 20h, pode ser 18h".

Segundo o governador, a ampliação do horário vai depender do comportamento dos números, seja de pacientes em leitos de UTI ou da UPA e também do crescimento de casos ativos.

"Se a situação degradar muito rapidamente aí nós iremos para medidas mais drásticas, como a Alemanha adotou, que é o fechamento de tudo, que ficou conhecido como lockdown".