Segunda, 08 de Março de 2021
14981559897
Polícia PRENDEU

Acusado confessa relação com enteada e que matou mãe e filha em Pompeia

Fabrício Buim Arena Belinato foi preso e afirmou esfaqueou mulher, asfixiou enteada de 9 anos e que mantinha relações sexuais com filha da vítima de 16 anos em Pompeia.

10/02/2021 07h59 Atualizada há 4 semanas
1.541
Por: Da Redação Fonte: Garça em Foco
Foto: Alcyr Netto/TV TEM
Foto: Alcyr Netto/TV TEM

O delegado responsável pela investigação do homem suspeito de matar a esposa e a filha dela afirmou nesta terça-feira (09) que o preso confessou o assassinato em interrogatório à polícia. O Garça em Foco acompanhou o crime bárbaro que chocou toda a região desde o início.

A mulher foi encontrada morta enterrada no quintal de casa com a filha de 9 anos, em Pompeia. O psicólogo Fabrício Buim Arena Belinato, de 36 anos, foi capturado na segunda-feira (08), em Campo Grande e transferido para Marília, onde chegou pouco depois das 23h desta terça-feira (09).

O delegado Cláudio Anunciato Filho, em entrevista no início dessa tarde em Campo Grande, onde Fabrício foi preso, disse que o homem apresentou uma versão de legítima defesa e ainda sugeriu que a criança foi morta pela própria irmã com um golpe na cabeça, uma adolescente de 16 anos, suspeita de participação. Em seguida, admitiu que matou a menina asfixiada com a mão.

"Em primeiro momento, ele disse aos policiais que a adolescente teve envolvimento na morte da criança. No entanto, o suspeito me chamou novamente e disse que foi apenas ele e não a moça.", disse o delegado.

Segundo a polícia, Fabrício teria admitido relações sexuais com sua enteada de 16 anos. “Quando a menina fez 15 anos, segundo ele, teria começado a ter relações com ela quando a mãe saía para trabalhar. Mas ele alega que seriam relações consentidas”, relatou o delegado.

Além do duplo homicídio e ocultação de cadáver, Fabrício é investigado por estupro de vulnerável pois teria abusado sexualmente da enteada mais velha há vários anos.

Na delegacia de Marília, Fabrício disse que se arrepende muito do crime. Clique aqui e veja o vídeo.

A adolescente negou participação no crime, mas a polícia acredita que ela deu cobertura ao padrasto e ajudou a enterrar os corpos.

A Polícia Civil vai confrontar a versão dele com provas técnicas e informações de testemunhas. A equipe ainda pretende aprofundar as investigações e esclarecer vários pontos nebulosos, como por exemplo a morte da menina de nove anos.

De acordo com as declarações de óbito divulgadas pela família, Cristiane morreu por hemorragia aguda e Karoline, por traumatismo craniano.

Veja como o Garça em Foco acompanhou e noticiou o caso e entenda: